Artigo do Dr. Edmond Barras: o que é bom saber sobre o CrossFit e Coluna

Artigo do Dr. Edmond Barras: o que é bom saber sobre o CrossFit e Coluna

O treinamento conhecido pelo nome de CrossFit Total Empowerment vem ganhando popularidade nos últimos anos. Somente nos EUA há mais de nove mil centros de treinamento CrossFit e outros tantos espalhados pelo mundo. Existem programas de treinamento inclusive “on-line”, jogos e até na televisão. Mas existem também muitas controvérsias relacionada a essa modalidade. Fundado no inicio dos anos 2000 é um programa de treinamento que visa melhorar a força e o condicionamento aeróbico. A finalidade é melhorar o bem estar físico e aumentar a capacidade cardiovascular. Cada sessão com uma hora de duração inclui exercícios focados na aptidão física e com vários objetivos: resistência cardiovascular, respiratória, força, vigor, potencia, velocidade, flexibilidade, equilíbrio, coordenação e precisão. A sessão padrão inclui uma fase de aquecimento, desenvolvimento de habilidades e exercícios de alongamento. O treino varia: o mesmo exercício não se repete no prazo de 30 dias. Os treinamentos são adaptados conforme a força e a habilidade do participante.

Divulgado como “esporte de aptidão” o CrossFit tem as suas vantagens. O objetivo é a realização de exercícios de alta intensidade dentro de um intervalo de tempo definido. Tem mostrado resultados efetivos em melhorar o condicionamento aeróbico, queimar calorias e os praticantes em geral se sentem em melhor forma física. O treino de cada dia tem como alvo um tipo diferente de força ou condicionamento funcional, a fim de se obter um corpo bem equilibrado. Além disso tem um componente social: os praticantes relatam que o companheirismo com outras pessoas no programa os incentiva a atingir as metas de condicionamento físico.

Mas como nada é perfeito o CrossFit não é exceção. Não é para todos. Alguns dos exercícios podem levar a lesões musculares, a chamada rabdomiólise, na qual a contração muscular exagerada e prolongada pode levar à rutura de fibras musculares. Durante o treinamento os participantes são orientados a realizar exercícios de resistência e de força
o mais rápido possível e fazer o máximo de repetições no menor tempo possível. É fundamental que o treinador seja experiente e atento pois uma programação inadequada pode levar a lesões sérias. Por causa da natureza competitiva do CrossFit, do ambiente motivacional e do desejo dos participantes de se destacarem, muitas pessoas se esforçam demais. A National Strength Conditioning Association (NSCA) estabeleceu algumas
diretrizes para protocolos de treinamento de alta intensidade. Entre eles está a recomendação de que os programas de treinamento sejam individualizados de acordo com a experiência, o nível de condicionamento e a condição física de cada pessoa.

Um acontecimento de grande repercussão aconteceu nos EUA: um atleta de CrossFit ao tentar levantar um peso de quase 100 kg, sofreu uma fratura de coluna ficando paraplégico. Note-se que foi um acidente incomum, que poderia ter acontecido com qualquer exercício de levantamento de peso, porém o caso virou argumento alvo para os que pregam contra o CrossFit.

Algumas regras básicas caso você resolva ser um adepto ao CrossFit:
a) Esteja ciente do seu nível de condicionamento físico e seus próprios limites.
b) Siga o seu ritmo, fique na sua zona de conforto. Se sentir alguma dor durante o treino, não force. Se exercitar com dor não só é contra-producente como também pode ser sinal de prováveis lesões.
c) Como em qualquer treinamento que envolva levantamento de cargas, procure aumentar a força nas pernas mantendo o tronco reto.
d) Obter e manter uma boa forma física é um compromisso a longo prazo. Não queira fazer em um mês o que deve ser feito em anos.
e) Certifique-se que os instrutores sejam experientes e competentes.
f) Não se esqueça também das implicações financeiras. O CrossFit pode custar de duas a três vezes mais que uma academia normal.

Médico titular e chefe do Serviço de Clínica e Cirurgia da Coluna Vertebral do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Médico assistente no Serviço do Prof. Raymond Roy-Camille no Hospital Pitié-Salpêtrière. Em 1978 fundou o Serviço de Clínica e Cirurgia da Coluna Vertebral do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, que dirige até hoje. Participações em cursos, congressos e publicações. Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em 1973. Residência Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP e no Hospital Pitié-Salpêtrière em Paris. É membro da Associação Francesa de Cirurgia.

Deixe um comentário

Envie um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *