Brilhante artigo do Professor Gilberto Schwartsmann, publicado no Jornal Zero Hora, sobre a internet

Brilhante artigo do Professor Gilberto Schwartsmann, publicado no Jornal Zero Hora, sobre a internet

Ao facilitar que se reaja por impulso, sem refletir, ou se emita opinião sem fundamentá-la ou por ela se responsabilizar, a internet dá visibilidade ao Homo sapiens menor. Daí, as fofocas, agressões da fake news no céu virtual. Há gente que sofre verdadeira metamorfose, jogando no lixo velhas amizades.

Nós sempre tivemos esse lado obscuro. Não é culpa da inovação. É do ser humano mesmo. Do contrário Raskolnikov não teria matado a velha agiota e a irmã inocente a machadadas, no Crime e Castigo, de Dostoievski. A internet facilita nossos sentimentos mais primitivos. Não ter de olhar nos olhos do outro é mais fácil. E o anonimato é um convite ao delito. Vem daí, em parte, a onda de agressividade cibernética. Alimenta-se da Frigga da doçura. Este lestrígone chamado internet possui dentro do peito também um coração, capaz de oferecer belezas singulares. O Concerto nº 2, para piano, de Rachmaninoff. A Polonaise, de Eugene Onegin, de Tchailovski. O Chorus of the Polovtsian Maidens, do Prince Igor, de Borodin.

Aproveite a Internet para elevar-se como ser humano. Pare de usá-la como leniente pra seus recalques

A Abertura de La Forza del Destino de Verdi. Estas jóias estão na internet, com igual facilidade que as imbecilidades dos piores representantes da espécie humana. Quem decide é o nosso desejo e um leve pressionar do indicador. E a scene de O Lago dos Cisnes ou a Dance of the Sugar Plum Fairy, do Quebra Nozes, de Tchaikovsky? O Intermezzo da Cavalleria Rusticana, de Mascagni! Da palestra de Jorge Luiz Borges, La Ceguera, no Teatro Coliseo, em Buenos Aires, proferida em 1977, aos deliciosos textos do teatro de Molière! Está tudo lá.

Como um navegador português, num galeão do século 16, você tem um mundo a descobrir pela internet. Depende de você! Procure o alimento sadio para a alma. Não o combustível barato que só alimenta a raiva. Aproveite para elevar-se como ser humano. Pare de usar a internet como leniente para seus recalques. Ofender ou desqualificar quem pensa diferente só o diminuirá como pessoa. Comece com a Sinfonia nº 5, em ré menor, de Schostakovitch.

Gilberto Schwartsmann: Graduou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), em 1980. Possui especialização em Oncologia Clínica pela Middlesex Hospital University College Royal Marsden Hospital (1983), doutorado em Farmacologia de Drogas Anticâncer pela Free Universtity Hospital (1988), pós-doutorado pela Organização Européia para Pesquisa e Desenvolvimento de Drogas Anticâncer (1991), aperfeiçoamento em especialização pela European Organization for Research and Treatment of Câncer (1991) e aperfeiçoamento em especialização pelo US National Câncer Institute (1992).

Professor pesquisador do Hospital das Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e da UFRS, instituições nas quais trabalha para o desenvolvimento de drogas anticâncer. No HCPA, ministra a disciplina de Oncologia Básica na graduação e dá aulas no curso de pós-graduação. É Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Farmacologia e Terapêutica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O oncologista ainda acumula as funções de diretor do Instituto de Oncologia Kaplan (Porto Alegre e Taquara) do Rio Grande do Sul e a de presidente da Fundação SOAD de Pesquisas do Câncer. Desde 1993, faz parte do Conselho do Instituto do Câncer Infantil do RS, do qual é Membro Fundador.

Publicou três livros e possui cerca de 200 artigos originais listados no PubMed, além de cerca de 2000 citações no ISI Citation Índex. Detentor de sete patentes na área de novos medicamentos e testes diagnósticos em Oncologia.

Orientou mais de 60 dissertações e/ou teses de doutorado em Oncologia pela UFRGS.

Recebeu diversos prêmios e títulos, entre eles, o Prêmio Carmen Prudente (2004), da Sociedade Paulista de Oncologia Clínica; o Prêmio Walter Guezzi (2003), durante a Jornada Gaúcha de Coloproctologia e o Prêmio Destaque em Pesquisa (2001), da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

Faz parte do corpo editorial das seguintes publicações: The Lancet Oncobiology, Recent Patents in Anti-Infective Agents, Session of Oncology, Revista da Associação Médica Brasileira. É membro de inúmeras instituições nacionais e internacionais, como a Academia Sul-Rio-Grandense de Medicina, a European Society of Medical Oncology, a American Society of Clinical Oncology, a Real Academia de Medicina da Espanha, a Sociedade Argentina de Oncologia Clínica e a Sociedade Latino-Americana de Oncologia Médica (membro fundador). Membro do Conselho da Fundação Iberê Camargo e Vice-Presidente da 10ª Bienal do Mercosul.

Diretor Médico e Sócio Fundador do Instituto de Oncologia Kaplan. Foi o primeiro latino-americano a ser diretor do New Drug Development Office da European Organization for Research and Treatment of Cancer (EORTC). Faculty Member da European Society of Medical Oncology; Doutor Honoris Causa pela USAL, Buenos Aires, Argentina, e Médico do Centro do Câncer do Hospital Ernesto Dornelles. É cidadão honorário das cidades de Porto Alegre, Canoas e Barra do Ribeiro, Rio Grande do Sul.

No dia 25 de março de 2014, a Direção da Fundação Médica do RS, órgão representativo dos docentes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), realizou cerimônia comemorativa à criação da bolsa de estudos Professor Gilberto Schwartsmann.

Na ocasião de sua candidatura a Membro Titular da Academia Nacional de Medicina, apresentou memória intitulada “Experiência com Uso de Talidomia em Pacientes com Mielanoma Múltiplo e Tumores Sólidos Avançados Refratários”.

É considerado um dos melhores oncologistas do mundo!!!

Deixe um comentário

Envie um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *