Dr. Edmond Barras - Casa de ferreiro, espeto de pau!

Dr. Edmond Barras - Casa de ferreiro, espeto de pau!

Cuidar da saúde é o principal objetivo da classe médica, mas quando se
trata da própria, a teoria na prática é outra. Há pouco mais de dois anos foi
lançada na França uma campanha com o lema: “Diga doutor, quem é seu
médico?” com o objetivo de estimular os médicos a se preocupar mais com a sua saúde. Uma pesquisa efetuada em agosto e setembro de 2019 com 300
médicos com atividade liberal pelo IFOP (Instituto Frances de Opinião e
Pesquisa) constatou que o panorama permanece inalterado em relação aos dados anteriores à campanha.

É surpreendente como quem passa a vida a cuidar da saúde dos outros
tem uma falta de lucidez sobre a sua própria. Talvez o fato do médico lidar no dia a dia com patologias sérias faz com que não dê importância a uma mancha suspeita na pele ou a uma tosse persistente. Três quartos dos médicos entrevistados declararam que quando necessário se tratam eles mesmos. Mais ainda: 20% deles não seguem as orientações da Haute Autorité de Santé sobre exames periódicos, vacinas, etc, que impõem aos seus pacientes. Oito em cada dez médicos revelaram que nunca se afastaram do trabalho para cuidar de doenças onde o repouso era imperativo; 31% nos últimos cinco anos. As razões apontadas para continuar trabalhando foram “a consciência profissional” em
73%, falta de substituto em 50% e razões financeiras em 39%. A pesquisa
também mostra que 53% dos médicos “acham que se cuidam menos que os
seus pacientes”. De um modo geral o médico acha que se cuida menos pela
“falsa impressão que é relativamente imune a doenças”. Um outro dado chocante da pesquisa é que enquanto apenas 14% dos entrevistados admitiram sofrer de algum vicio (álcool ou drogas) 50% suspeitavam de outros colegas. O estudo também mostrou que os clínicos gerais são mais fragilizados que os especialistas; tomam duas vezes e meia mais anti-depressivos, 15% contra 6%. 75% dos médicos se declararam satisfeitos com a profissão, média semelhante às outras profissões. Mas ao se entrar em detalhes apenas 60% dos clínicos gerais são felizes com o seu trabalho contra 89% dos especialistas.

A nossa profissão consiste em se encarregar da saúde dos outros. Saber
quando fazer uma pausa para cuidar de si mesmo seria uma boa atitude. Mas o médico tem dificuldade em pedir ajuda para ele próprio.

É preocupante…

Dr. Edmond BarrasMédico titular e chefe do Serviço de Clínica e Cirurgia da Coluna Vertebral do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Médico assistente no Serviço do Prof. Raymond Roy-Camille no Hospital Pitié-Salpêtrière. Em 1978 fundou o Serviço de Clínica e Cirurgia da Coluna Vertebral do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, que dirige até hoje. Participações em cursos, congressos e publicações. Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em 1973. Residência Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP e no Hospital Pitié-Salpêtrière em Paris. É membro da Associação Francesa de Cirurgia.

Deixe um comentário

Envie um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *